#CADÊ MEU CHINELO?

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

ASSALTAR PAPAI NOEL



"É noite de natal
eu fico olhando o céu
esperando a hora
de assaltar papai noel"

Moleque de Rua

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

VÉIA MALUCA




# mandachuva #
A incrível Maria Amélia Jucá, minha vovó (texto corrigido)

txt: Tiago Jucá Oliveira
phts n vds: Melissa Orsi

Em fevereiro deste ano, tive a oportunidade de ir lançar a edição #14 da revista O DILÚVIO em Fortaleza, em dois eventos bem bacanas. Como fazia 10 anos que eu não ia ao Ceará, aproveitei pra visitar minha família (quem não sabe, sou 51% gaúcho e 49% cearense) e estiquei mais uns dias de fevereiro, pois minha vovó fazia 95 anos no final do mês.

Não acreditei no ótimo estado mental que se encontrava a véia. Um dia ela disse: "quando eu morrer, a primeira coisa que vou fazer no céu é amor com teu avô" (ela era viúva há cinco anos). Ri, e muito, e pra quem conto, todo mundo ri. Mas tentando resumir, pois não cabe tudo aqui, e talvez você nao se interesse por histórias de uma senhora de 95 anos: de vez em quando ela ia pra praia ou pra algum aniversário. Nessas ocasiões, ela retomava um hábito que a velhice não sustentava mais fazer com frequência: beber cerveja e fumar cigarro. As fotos comprovam (clique nas fotos pra ver melhor cada detalhe das loucuras dela).



Outra cousa inacreditável: ela passava a manhã e a tarde inteiras lendo livros. Nossa revista ela leu em trote de coelho, enquanto mascava seu fumo, vício que tinha desde os 14 anos. E relia trechos em voz alta. Também adorava dizer versos de poesias, que sabia decor (veja o video aqui ou abaixo)



Pois é. Hoje faz uma semana que vovó encontrou meu avô. De acordo com ela, deve está tirando o couro do coitado do véio! A única coisa que nos deixou é a melhor coisa que poderia ter deixado: "deixo pros meus filhos a lembrança duma bela imagem", repetia todos os dias esse trecho tirado de um de seus livros favoritos.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

formspring.me

If you could have a super power, what would it be?

eu nun intindi u qui eli falô

dilúvio

formspring.me

Você tem medo de chuva?

quem não sai na chuva não aprende a se queimar

dilúvio

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

RETOMADA

Semana passada este blog não teve nenhuma postagem. Demos um tempo aqui pra retomar nosso portal no wordpress, agora devidamente rebatizado de @ Arca de Noé. A Arca retorna pra ser o que já foi na nossa "pré-história", e também pra centralizar tudo que diz respeito a revista O DILÚVIO e seus canais na web.

E a partir de amanhã, aquilo que você sempre espera deste blog: CHUVA!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

DEM




# gência pirata #
Mensagem aos Democratas

txt: Klauber Cristofen Pires

Hoje li uma mensagem distribuída pela Associação Brasileira dos Jornalistas - ABJ, lamentando o fato de que a Comissão de Constituição e Justiça aprovou nesta quarta-feira, dia 02/12/2009, a PEC nº 33/09, que retoma a obrigatoriedade do diploma para a profissão de jornalista e regulamenta a figura do colaborador, para a publicação de artigos de opinião.

Já tenho dito aos Democratas: entre o PT original e outro, digamos assim, "made in Paraguay", não há dúvida sobre a preferência entre os adeptos do primeiro.

Recentemente, muito feliz estive por conta da valente senadora Kátia Abreu, por ter pela primeira vez questionado a questão da produtividade como fator legitimador do direito de propriedade do imóvel rural. Não sei se por coincidência, mas poucos dias antes eu havia enviado à CNA uma mensagem, que foi publicada em vários sites e blogues, inclusive o meu, LIBERTATUM, eu que eu levantava justamente esta questão, tendo a colocado em planos doutrinários. Eu tenho absoluta certeza que a CNA e a sua presidente, a Sra Kátia Abreu, acertaram, e por mais que hoje tal proposta se distancie do nosso quadro atual, o argumento paulatinamente há de vencer pelo só fato de ser verdadeiro e realmente justo.

O caso acima reflete com clareza que os Democratas têm hoje à disposição uma fonte nascente, firme e próspera da doutrina liberal e dos valores do conservadorismo cristão. Hoje o Brasil conta com vários institutos e dezenas de pensadores, a começar por aquele que não temo em dizer que é um dos maiores sábios da atualidade mundial: o filósofo Olavo de Carvalho. Infelizmente, quanto ainda são desprezados!

Somente com a clareza da boa doutrina liberal na cabeça e com o conhecimento dos passos e das intenções das esquerdas é que os democratas haverão de reverter a preferência da opinião pública, denunciando-as, ao mesmo tempo em que ensinam ao povo sobre a filosofia da liberdade. Chega de jogar o jogo deles! Aprendam pelo menos que a repetição dos mesmos erros não é capaz de transformá-los em acertos.

Na nota da ABJ, que reproduz diálogos havidos na CCJ, salta-me aos olhos que o senador Efraim Morais (DEM-PB) tenha contestado os argumentos do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e enfraquecido a sua posição, assim fornecendo fôlego para que o petista Aluízio Mercadante se sentisse à vontade, com sua lógica peculiar, para atacar mais uma vez as liberdades civis em prol do projeto totalitarista de seu partido.

Somente para início de conversa, pondo a questão em termos jurídicos, que, afinal, é a própria tarefa de uma Comissão de Constituição e Justiça, a liberdade de expressão é ampla (art. 5º, IV e IX) e não admite regulações, pois tem aplicação imediata (Art. 5º, §1º) . Finalmente, qualquer proposta de emenda constitucional tendente a abolir este direito dos cidadãos é nula (Art. 60, § 4, IV) .

Agora, preste atenção, Senhor senador Efraim Morais, e aprendam se tiverem um pingo de consciência os petistas e congêneres: A Constituição é um documento elaborado por homens e mulheres livres. Qualquer restrição de liberdade, pois, é caso de extremo cuidado legislativo, e somente pode ser lançada aos cidadãos em prol da defesa contra um grave perigo para a existência da própria sociedade.

Exemplar e histórica, portanto, a decisão do STF, ao abolir lei que não foi recepcionada pela nova Carta nem por uma vírgula que fosse, por absolutamente imprestável, haja vista que o material de trabalho do jornalista é puramente decorrente do direito amplo à liberdade de expressão.

Ademais, a proposta do Poder Legislativo de propor emenda contrária à decisão da Suprema Corte, logo assim, em ato contínuo, configura o que o jurista Cristiano Carvalho denomina de ruptura da “autopoiese”, isto é, da capacidade de a sociedade poder manter vivo e saudável seu sistema jurídico, por prejudicar o sistema de cheks and balances. O que o Senado neste momento está fazendo é produzir grosso “ruído” na comunicação com a sociedade, que se traduz pelo convite ao desprezo à decisão por parte daqueles cuja missão maior é proteger a Constituição. Em termos mais simples, trata-se de uma afronta à harmonia entre os poderes.

Ora, que perigo há em que jornalistas não diplomados exerçam a profissão? Que alguns cometam erros ortográficos ou gramaticais? Pois todos os dias eu testemunho as piores aberrações nos jornais, e são produzidas por diplomados. Que alguns deles deturpem a notícia? Oras, o Brasil dos jornalistas diplomados é o maior caso de ocultação em massa da notícia, desde há pelo menos dezenove anos atrás, quando decidiram esconder do público as tramas do Foro de São Paulo. Pelo contrário, um famoso jornalista não diplomado, o Sr Bóris Casoy, viu-se desempregado tão somente por perguntar ao candidato Lula sobre a existência do FSP, após ter recebido o pito de que "nem deveria falar na tv sobre uma coisa dessas".

A questão das faculdades de jornalismo não pede a complacência dos parlamentares para os futuros repórteres. Quem o Congresso deve defender? Os direitos de reserva de mercado dos jornalistas diplomados ou o direito da população de escolhê-los dentre os melhores e de maior reputação, e ainda mais do que isto, de expressarem-se cada um dos cidadãos como bem lhes aprouver? Que sejam muito úteis as faculdades, tão úteis que os profissionais da notícia sintam a necessidade de freqüentá-las. Assim nasceram todas as universidades, isto é, a partir de um desejo íntimo sincero e decidido de buscar o conhecimento, casado com uma proposta honesta de oferecê-lo.

A obrigatoriedade do diploma, ao contrário, inverte esta fórmula, fazendo das faculdades umas fábricas de diplomas, a quem os interessados as buscam tão somente com intenção pró-forma, ou seja, tendo em vista obter uma licença para trabalhar, e isto, afinal, vale para todas as outras profissões, exceto aquelas para o qual o perigo para a sociedade é real e estimável, tal como o risco do prédio desabar ou do internado morrer. Não é mais a faculdade que serve à profissão, mas a profissão é que serve à faculdade, nos próprios termos do Sr senador Aluízio Mercadante.

Agora, somente para nos atermos ao caso, justamente para se tornar um ministro da mais alta corte do país não se exige diploma de bacharel em Direito, mas que seja cidadão brasileiro com “notável saber jurídico e reputação ilibada” . Em via contrária, recentemente foi acolhido um novo ministro que, não obstante ostentar o diploma de bacharel e a carteira da OAB, sugere alguma discussão quanto ao seu notável saber, eis que, por duas vezes, foi reprovado em concurso para juiz.

Do exposto, não é o Senhor Demóstenes Torres quem tem que suar a camisa para defender a inutilidade desta coisa que, aprovada, há de reforçar o conceito da sociedade corporativista ou como tenho cunhado, da sociedade de trincheiras. Quem tem que se explicar são os defensores da obrigatoriedade do diploma, este que já tentaram várias vezes ceifar a liberdade de expressão. Estes têm de ser denunciados em alta voz!



Art. 5º, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;


Art. 5º, § 1º - As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.

Art. 60, § 4º - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: (...) IV - os direitos e garantias individuais.

Cristiano Carvalho. Teoria do Sistema Jurídico - direito, economia, tributação. São Paulo: Quartier Latin, 2005.

Art. 101. O Supremo Tribunal Federal compõe-se de onze Ministros, escolhidos dentre cidadãos com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

AGÊNCIA PIRATA




# agência pirata #
Liberdade

txt: Tiago Jucá Oliveira

O DILÚVIO fortalece seus laços com alguns conceitos de cultura e informação livres. Desde 2006 somos adeptos do Creative Commons, licença autoral que permite ao leitor reproduzir e modificar, inclusive pra fins comerciais, nossos textos e fotos que estão na revista impressa e nos canais virtuais. De lá pra cá, nos orgulhamos muito em ver nosso conteúdo republicado em sites, blogs, jornais e revistas do Brasil e do mundo. Alguns casos surpreendentes, como o site do músico Manu Chao, que reproduziu na íntegra a entrevista que o nosso blog fez com o próprio. E também a revista Cidade B, de Porto Alegre, que colou em suas páginas uma reportagem do editor d’O DILÚVIO justamente sobre licenças livres (apesar de ser uma publicação independente que nem a nossa e sofrer dos mesmos problemas que qualquer revista alternativa tenta resolver no dia-a-dia, e por isso mesmo ser considerada de nossa parte como uma mídia aliada e irmã, não podemos esquecer que na esfera comercial estamos atrás dos mesmos anunciantes, o que enaltece o fato).

Em alguns momentos nós também nos valemos desta prática, no sentido inverso, de copiar e colar reportagens, entrevistas e imagens de outros meios que utilizam a mesma licença, sem precisar pedir autorização, o que facilita, além de difundir o conhecimento e a informação. A partir de agora, a colagem será mais corriqueira. No nosso blog, textos alheios com licença livre serão reproduzidos, dando mais dinâmica ao blog. Já republicamos um do jornalista Ronaldo Martins Botelho, originalmente veiculado no Observatório da Imprensa, sobre o caso Ungaretti x Cágado Fotonaldo; e também uma ótima resenha do músico João Xavi a respeito da apresentação do 3 na Massa no festival Humaitá Pra Peixe 2009.

Para oficializar a prática, Arlei Arnt, o xuxu beleza da redação, criou há alguns meses a Agência Pirata de Giornalismo y Terrorismo Publicitário, órgão interno d’O DILÚVIO. Ele explica que “não somente serão reproduzidos textos em Creative Commons. Haverá, isso sim”, ressalta Arlei, “um profundo desrespeito às normas de direitos autorais e copyright, pois se elas são obsoletas, devemos ser verdadeiros desobedientes civis”. Ele faz lembrar que essas transgressões as leis são feitas a todo minuto em canais como You Tube e Orkut: “você assiste ao capítulo da noite passada da novela, assim como vê fotos de jogadores feitas pelos grandes jornais nos álbuns dos amigos no Orkut”. O que a Agência Pirata pretende fazer nada mais é do que escancarar aquilo que somos e não deveríamos ser não fosse ao atraso das leis: “desobedientes civis”.

A Agência, em contra-partida, não quer utilizar conteúdos sem licenças livres produzidos por mídias amigas e parceiras: “eles precisam abrir os olhos na burrice que estão cometendo, estão tão defasados em relação a isso quanto os burocratas dos direitos autorais, que poderiam ver suas idéias, excelentes por sinal, difundidas e linkadas para o original. Até o Barack Obama já aderiu ao Creative Commons”. Mesmo assim, esses sites e blogs citados acima estão relacionados no box que a Agência já ocupa no blog d’O DILÚVIO. No barra vertical à esquerda, há um box da Agência, com o resumo das últimas notícias publicadas em diversos sites, alguns parceiros e outros considerados importantes e de qualidade.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

RECUPERAÇÃO

# over12 #
Férias escolares

txt: Arlei Arnt

Algumas cousas nunca vazam da cabeza. Os tempos de zcola são umas dessas lembranzas que ficam. Esquece as brincadeiras, as paiaçadas, as marmotas e presepadas que aprontei com amigos como o Kimico, o Botelho, o Teio e o Bagaço pelos corredores, salas e pátios do Pereira Coruja. Vamos falar de cousa zéria.

Havia matérias que você pegava recuperação no final do ano, e outras que não. As fáceis, em meados da primavera já não era preciso fazer mais nada. Com o sistema de média de pontos por bimestre, era possível (não sei se ainda é) ser aprovado no terceiro bimestre, pois independente da nota do quarto bimestre, não tinha mais como rodar e ir pra temível recuperação.

Então era aquela cousa: o quarto e último período do ano era levado na moleza, na brincadeira, no desleixo, na lentidão, no despreocupar da nota e do resultado final. Não havia mais a nada ser feito. Era mais ou menos férias, porém não na praia e sim no colégio. Você podia tirar nota baixa, mas não podia faltar às aulas. Como no futebol: um time pode jogar com reservas e tomar de 10 a zero, mas não pode faltar à partida, sob pena de não só perder por W.O., como também ser eliminado da competição e ser rebaixado de divisão pro ano seguinte.

Lembro de minha mãe. "Filho, tem prova amanhã?". "Sim, véia". "Estuda pra tirar um 10!". Ora, por coal motiviz eu ia perder meu tempo, deixar de andar de bike ou tomar um chimas na lagoa, pra me esforçar por algo que não me importava mais. No dia da prova escalei os neurônios reservas, que mal haviam estudado, e dei folga pro Tico e Teco, os craques desta mente que vos perturba com este malicioso texto antes de tirar férias em dezembro.

Imagino agora se a prova na coal minha coroa sonhava com uma nota dez fosse num bela tarde ensolarada de domingo de dezembro numa cidade como o Rio de Janeiro. "Filho, capricha e tira um dez pra encerrar bem o ano, pra honrar o sobrenome da tua família, este brasão que ilustra a parede deste chão que te criou". Que nada. Vou entregar a prova em branco logo no início e vou pra praia curtir o mar e o sol. Esforço nesta hora é pra quem pegou recuperação. Não perturbe. Estou de férias! "Taxi! Posto 9, por favor".

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

TOP 10 Novembro 2009




10 termos mais pesquisados na internet e que chegaram até aqui pro blog

1. Putas
2. Foder
3. Putas a foder
4. O dilúvio
5. Tecno brega
6. Hermano Vianna
7. Se nada mais der certo download
8. Você está temporariamente impedido de realizar esta ação. tente novamente mais tarde
9. Revista O DILÚVIO
10. Putas a pinar


10 músicas mais ouvidas em O DILÚVIO Space Radio

1. Che - O eterno pecado horizontal
2. Gero Camilo e Lirinha - Cabeleira de aipim
3. China e Sunga Trio - Oh bela
4. Carlos Careqa - Eu nao quero crescer
5. Leningrad - Super good
6. Arnaldo Antunes - A casa é sua
7. Metamix - Three bikinis on the rocks
8. Zumbira - Ainda Bem que Tenho a Nega
9. Romulo Fróes - Minha casa
10. De Leve e Totonho - Pra ser feliz



10 páginas mais visitadas aqui neste blog


1. Putas a foder
2. Tecnobrega
3. Mombojó
4. O Vizinho
5. Top 10 Outubro 2009
6. We Can Nabis
7. CD virgem pra foder com a EMI
8. Se nada mais der certo
9. João Gato
10. Unibambi


10 países que mais acessaram este blog

1. Brasil
2. Portugal
3. USA
4. França
5. Suíça
6. Angola
7. España
8. Moçambique
9. Alemanha
10. Bélgica


10 cidades que mais leram este blog

1. Porto Alegre
2. São Paulo
3. Porto
4. Rio de Janeiro
5. Lisboa
6. Recife
7. Belo Horizonte
8. Fortaleza
9. Brasília
10. Salvador


10 fontes que mais acessaram este blog

1. Google
2. Sitebro
3. direto
4. Twitter
4. TwitterFeed
5. Orkut
6. Facebook
7. Ask
8. Os Verdes Tapes
9. Pendurado Para Secar
10. Yahoo

#ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

Você pode:

  • Remixar — criar obras derivadas.

Sob as seguintes condições:

  • AtribuiçãoVocê deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra).

  • Compartilhamento pela mesma licençaSe você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob licença similar ou compatível.

Ficando claro que:

  • Renúncia — Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais.
  • Domínio Público — Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença.
  • Outros Direitos — Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença:
    • Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis;
    • Os direitos morais do autor;
    • Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade.
  • Aviso — Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

.

@

@